quarta-feira, fevereiro 28

CAETANO MAMMANA, O HEROI DA 52ª TURMA – Flavio Soares de Camargo

1
307

Ha muitos anos minha esposa, Márcia, que é agrônoma (ESALQ USP 69 também), toca uma fazenda da família em Araras.

Todos sabem do abandono completo da zona rural em relação a saúde, aposentadoria, higiene salários e esperança.

Os bairros rurais, neste município tem um centro rural onde EXISTIA, ou melhor oferecia, ensino básico, logo após as escolas rurais nas fazendas serem eliminadas pelo ministério da educação. Além disto mantinha um médico para o atendimento da população carente.

Meus funcionários e seus filhos frequentavam este centro rural, localizado na Estrada Municipal Fabio da Silva Prado s/n, bairro de Elihu Rooth. LNome chique pacas, pois foi uma homenagem ao secretario da agricultura dos EUA, que fez uma visita no inicio de 1900 a uma fazenda famosa naquela época, a Fazenda Santa Cruz, de Fabio da Silva Prado, ex prefeito de São Paulo e, antes disto, foi do Elias Chaves quem construiu o palácio dos Campos Elisios (EC agora CE).

Pompa a parte, o dia a dia rural é extremamente lento, as colheitas são apenas uma vez ao ano, diferente do ciclo financeiro do comercio que é semanal, bancos e finanças diário, enfim come-se pó e atola-se na lama, para uma colheita anual. Mas os rurais estão lá e são eles que alimentam o País inteiro nesta roubalheira colossal que estamos vivendo.

A Marcia sempre comentava que os funcionários gostavam de sair para ir ao médico, num determinado dia da semana no centro rural. Eu resolvi perguntar, e a resposta foi que o medico daquele dia acertava com todo mundo, daí a procura.

Trinta anos se passaram e eis que um funcionário vem trazer os exames para eu ver, pois aquele medico tinha se aposentado do centro rural.

Isto veio a minhas mãos ao pé do fogão de lenha, as seis da manhã, quando o “Pedro Gago”, meu fiel funcionário que roda a sede (faz tudo ), trouxe-me o receituário com os exames pedidos e os resultados para eu ver.

La estava o carimbo do Mammana, nosso colega da 52ª turma, que dedicou seus conhecimentos e vida aos mais necessitados.

Parabens para esse colega, que fez do JURAMENTO DE HIPOCRATES seu motus vivendis!

Uma abraço a todos do Flavio.

1 comment

  1. Alzira Clauzet 21 março, 2018 at 22:39 Responder

    Mammana, graças a você eu fiz minha tese de mestrado em ultra estrutura das células gástricas com o Junqueira no departamento de histologia, lembra?
    Foi o início de toda a minha vida.
    Fiquei feliz em ter notícias suas.
    Beijos
    (Alzita T Clauzet)

Leave a reply