sexta-feira, fevereiro 23

 SALMO 150, por Joel Faintuch

6
242

Era um jovem cirurgião, num dos hospitais da cidade. Integrava a equipe de conhecido medico operador. Era muito apegado à mãe, que sofria de enfermidade grave. Ela era frequentemente hospitalizada, o  que impactava a família financeiramente, e sobretudo emocionalmente.

Um dia a mãe faleceu. Abalado, o cirurgião buscou refúgio nas Sagradas Escrituras. Continuava a cumprir fielmente suas obrigações profissionais, e não incomodava ninguém. Contudo passou a carregar a Bíblia permanentemente embaixo do braço.

O superior não teve dúvidas, e o demitiu sumariamente, como desequilibrado. O jovem não passou recibo do “diminutio capitis”. De cabeça erguida, passou a  escrever a instituições acadêmicas do exterior. Conseguiu estágio em prestigiosa universidade.

“To make a long story short”, resumindo, em poucos anos foi convidado para vice-diretor de serviço, em outra conceituada instituição acadêmica. Suas pesquisas eram tão arrojadas que o médico operador, seu antigo chefe, engoliu a empáfia. Fez contato e agendou viagem, para se inteirar das novidades científicas. “Better safe than sorry”. Não é prudente permanecer na obsolescência, mesmo ao custo de algum constrangimento.

O jovem cirurgião o recebeu com todo cavalheirismo, sem mágoas nem ressentimentos. Até o convidou para um sermão, que costumava ministrar ocasionalmente nos finais de semana, num templo das proximidades.

Desta vez o velho operador nada vociferou sobre os inconvenientes da devoção religiosa, e acabou comparecendo. Ao final da prédica, um garotinho circulou entre os circunstantes com uma bandeja, angariando donativos. O médico operador depositou uma moeda. O garoto fez han-han. Relutante, o operador puxou da carteira uma nota mais significativa.

6 comments

  1. Flávio Soares de 23 julho, 2019 at 20:54 Responder

    Joel , tínhamos alguns colegas, extraordinários , você por exemplo , o Alvaro Cerávolo uma turma na frente , e é duro para um professor saber que um aluno ou residente tem conhecimento superior . Parabens pelo professor ter engolido o orgulho, descido do pedestral e ter ido ao ex aluno .História de vida emocionante ,

    • Joel 24 julho, 2019 at 18:04 Responder

      Prezado Flávio
      O Álvaro Cerávolo era uma figura marcante na Cirurgia.
      Encontrei-o no interior há 12-14 anos.
      Não estava muito bem de saúde, porém trabalhava intensamente.
      Conservava o mesmo sorriso, o mesmo entusiasmo da residência.
      Não me inclua no seu panteão.
      Basta considerar-me como amigo, que já será de ótimo tamanho.
      Cordialmente, Joel

    • Joel 24 julho, 2019 at 18:09 Responder

      Caro Berger,
      Seu comentário me lisonjeia.
      Contudo não possuo este cabedal todo.
      Nunca tive serviço no exterior.
      Embora os temas bíblicos não desagradem, não costuma carregar nada embaixo do braço.
      Definitivamente não há nada de autobiográfico na história.
      Cordialmente, Joel

      • eduardo berger 26 julho, 2019 at 17:27 Responder

        “Salvo engano, o herói do mini conto e seu autor não são a mesma pessoa”… >> Foi uma resposta que dei ao Flavio, ele sim achando que vc contava uma história de sua vida

Leave a reply